Alegria pós-confinamento

Direto de Barcelona, Marcelo Magalhães relata emoção em voltar ao surfe depois de dois meses de confinamento


Covid-19, dois meses de confinamento. Para um surfista aficionado é difícil, mas para o surfista barcelonês, que tem como playground o Mar Mediterrâneo meu amigo, pode ser muito pior, ainda que esteja acostumado com muitos dias flat.

Como o nome já supõe, Mar Mediterrâneo: Não há oceano. As ondulações que chegam são curtas, com um período baixo e são relativamente raras. Estou morando há 3 anos em Barcelona e nunca tinha visto um swell durar mais de dois dias e pior ainda, encostar um swell a cada semana, mas isso estava para mudar.

Foi entrarmos em quarentena total e as previsões já marcavam ondulações chegando. A cada semana confinados chegava uma ondulação nova, olhávamos as webcams e víamos ondas solitárias em todas as praias, água limpa, um só desejo: surfar e um só bloqueio: um vírus. Teve fissurado que tentou escapar, mas foi logo visto pelos milhares de telespectadores justiceiros (invejosos?) e a polícia chegou rápido. ¡Multa y para casa ya!

Lei de Murphy, ziq zira, praga, chame do que quiser, mas teve. Dois meses de confinamento e não parava de dar onda. Estávamos estupefatos, mas infelizmente não podíamos fazer nada. O mês de abril acabava e o governo espanhol criava o projeto "desescalada fase 0" onde anunciaria que a partir do dia dois de maio, poderiamos sair a praticar esportes, mas havia um detalhe: as praias da cidade seguiriam todas fechadas. Não entendíamos. Era uma situação paradoxal, poder fazer esporte, mas não poder entrar no mar. Muita confusão, fofoca e fake news começaram a rolar, e o pior de tudo: um swell bom chegava na semana seguinte!

Federações, atletas de águas abertas, surfistas amadores, todos os envolvidos começaram a se manifestar diante das frentes do governo local, pedindo a liberação da prática de esporte dentro da água também. Foi uma semana de muita ansiedade e tensão, de poder surfar ou não. Quando já não podíamos mais esperar, eis que dois dias antes do swell a prefeitura anunciava que as praias de Barcelona seriam abertas na sexta-feira, o dia que antecedia as ondas.

Comunidade do surfe feliz! Estaríamos de volta à água depois de incontáveis dias presos dentro de casa, com boas ondas e alguns típicos perrengues mediterrâneos, como crowd absurdo e quantidade imensurável de aprendizes, mas o que vale é estar na água!

Um muchísimas gracias ao meu bom amigo Nil, que a propósito já conhece muito bem as ondas da Bahia, e fez umas fotos para eternizar esse momento de felicidade da galera presente nesse primeiro dia de surf pós-confinamento.

PUBLICIDADE

Relacionadas

Fabricio Fernandes comenta sua rotina havaiana em tempos de Covid-19

Orlando Rodrigues registra a nova geração de atletas da praia do Forte

Direto de Barcelona, Marcelo Magalhães relata emoção em voltar ao surfe depois de dois meses de confinamento

SurfBahia traz uma panorama mundial da pandemia de Covid-19 no surfe

Surfista e legend ilheense Gustavo Apoena sofre infarto fulminante

Black Trunks de Surf promove competição de vídeos e fotos para arrecadar alimentos

Comitê Olímpico Internacional divulga nova data para as Olimpíadas de Tóquio

Prefeito ACM Neto interdita algumas das principais praias da capital baiana