Fique em casa!

SurfBahia traz uma panorama mundial da pandemia de Covid-19 no surfe


Em matéria divulgada pelo site Waves, a Europa estuda flexibilizar as medidas restritivas impostas pelas autoridades devido a pandemia do Covid-19.

Diversos países tiveram que adotar medidas de restrição ao surfe, impedindo a realização do mesmo e de outras atividades ao ar livre, afim de evitar a aglomeração de pessoas nas ruas.

Lugares como França, Portugal e Espanha estão proibidos a prática do surfe, mesmo assim, as autoridades ainda tem trabalho com pessoas insistindo em surfar, contrariando as recomendações do governo e as medidas impostas. Vale lembrar que o continente europeu é o mais atingido pela pandemia do Covid-19 no mundo.

No Brasil, tivemos alguns lugares como Maresias, Ubatuba e outros picos do litoral paulista, Florianópolis, Rio de Janeiro e mais alguns lugares onde foi proibido a prática do surfe, mas agora houve uma flexibilização na maioria dos picos e o surfe está rolando.

Houve muita polêmica durante esse tempo, com muita pessoas contrariando as recomendações e indo surfar. Existe um grupo de pessoas que defendem a atividade física ao ar livre como benéfica para a saúde e consequentemente para a imunidade. Entretanto, médicos e especialistas da área da saúde afirmam que no momento, o mais correto para a saúde é ficar em casa e evitar o contato com outras pessoas.

Para se ter um exemplo, em Portugal, desde o dia 19 de março está proibido qualquer atividade no mar, porém, 26 atletas ganharam do governo o direito de praticar suas atividades esportivas. Entretanto, a maioria preferiu ficar em casa, para dar o exemplo e por respeito aos profissionais da saúde que estão na linha de frente no combate a pandemia.

Nomes como Frederico Morais, Vasco Ribeiro, Miguel Blanco e Teresa Bonvalot, todos expoentes do surfe português, estão respeitando a quarentena e não estão indo surfar.

"Não, ainda não surfei desde que foi declarado o estado de emergência. O que me levou a suspender os treinos foi o respeito que tenho pelos que estão na linha da frente a combater esta pandemia e a tratar de todos nós para que se possa ultrapassar o vírus. Acho que me cabe a mim, como um dos embaixadores do surf em Portugal, dar o exemplo a toda a comunidade do surf e tentar sensibilizar para que se respeitem as regras o melhor possível. O problema do surf é que nós temos de procurar as melhores ondas para treinarmos e para isso preciso me deslocar ao longo da nossa costa para treinar como deve ser. Uma vez que as deslocações não são permitidas, não sei quando voltarei aos treinos. Como todos sabemos, o surf tem este lado que é muito diferente de todos os outros desportos", declarou o top Frederico Morais ao site português Tribuna Expresso.

Na Austrália, alguns lugares como Sydney tiveram duras medidas restritivas e agora depois de mais de um mês começam a voltar a abrir as praias, mesmo assim, com a inclusão de medidas para conter a aglomeração.

No Brasil e especificamente na Bahia, os números aumentam a cada dia, mesmo com as medidas do governo do Estado, o que leva a uma preocupação dos especialistas da saúde. Longe dos debates polêmicos, devemos seguir as recomendações dos profissionais da saúde e ficar em casa, quem não pode ficar, que tome os cuidados necessários, evite aglomerações, use máscara, lave as mãos e se proteja, por você e por todos nós que estamos enfrentando essa batalha.

PUBLICIDADE

Relacionadas

Fabricio Fernandes comenta sua rotina havaiana em tempos de Covid-19

Orlando Rodrigues registra a nova geração de atletas da praia do Forte

Direto de Barcelona, Marcelo Magalhães relata emoção em voltar ao surfe depois de dois meses de confinamento

SurfBahia traz uma panorama mundial da pandemia de Covid-19 no surfe

Surfista e legend ilheense Gustavo Apoena sofre infarto fulminante

Black Trunks de Surf promove competição de vídeos e fotos para arrecadar alimentos

Comitê Olímpico Internacional divulga nova data para as Olimpíadas de Tóquio

Prefeito ACM Neto interdita algumas das principais praias da capital baiana