O mistério do dragão azul

Molusco desperta curiosidade de surfistas e banhistas no litoral baiano


O aparecimento de um molusco em algumas praias do litoral baiano tem despertado grande curiosidade e até um certo temor por parte de banhistas e surfistas.

Trata-se do 'dragão azul', da espécie Glaucus atlanticus.

Os animais possuem cerca de 1 a 3cm de comprimento e vivem junto à superfície da água do mar. Se alimentam de cnidários, como caravelas e porpitas.

Eles são trazidos às praias por razões naturais, como fortes ventos e correntes marinhas. Alguns acabam morrendo e servindo de alimento para outros animais marinhos.

De acordo com o setor de Malacologia, Departamento de Invertebrados do Museu Nacional/UFRJ, os Glaucus não representam grandes riscos ao seres humanos, mas não devem ser molestados ou ingeridos.

A recomendação é de que os banhistas não mexam nos animais quando encontrá-los na areias. Geralmente, o dragão azul, assim como águas-vivas, encalham ainda vivos e depois acabam morrendo.

Segundo o professor Alberto Lindner, responsável pelo laboratório de Biodiversidade Marinha da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), há registros na literatura que se ele comer a caravela portuguesa pode causar queimadura. "Vai depender do que ele comeu. É um molusco sem conchas e usa a toxina da água viva para se proteger", explicou Lindner em reportagem produzida pelo G1 em fevereiro deste ano.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

O aparecimento de um molusco em algumas praias do litoral baiano tem despertado grande curiosidade e até um certo temor por parte de banhistas e surfistas. Trata-se do 'dragão azul', da espécie Glaucus atlanticus. Os animais possuem cerca de 1 a 3cm de comprimento e vivem junto à superfície da água do mar. Se alimentam de cnidários, como caravelas e porpitas. Eles são trazidos às praias por razões naturais, como fortes ventos e correntes marinhas. Alguns acabam morrendo e servindo de alimento para outros animais marinhos. De acordo com o setor de Malacologia, Departamento de Invertebrados do Museu Nacional/UFRJ, os Glaucus não representam grandes riscos ao seres humanos, mas não devem ser molestados ou ingeridos. A recomendação é de que os banhistas não mexam nos animais quando encontrá-los na areias. Geralmente, o dragão azul, assim como águas-vivas, encalham ainda vivos e depois acabam morrendo. Segundo o professor Alberto Lindner, esponsável pelo laboratório de Biodiversidade Marinha da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), há registros na literatura que se ele comer a caravela portuguesa pode causar queimadura. "Vai depender do que ele comeu. É um molusco sem conchas e usa a toxina da água viva para se proteger", explicou Lindner em reportagem produzida pelo G1 em fevereiro deste ano.

Uma publicação compartilhada por SurfBahia nas praias (@surfbahianaspraias) em

PUBLICIDADE

Relacionadas

Grupo de orcas surpreende embarcação com pescadores em praia próxima a Itacimirim

Churrasco inusitado na praia de Amaralina vira polêmica depois de grupo ficar ilhado na maré cheia

Enquanto as discussões sobre o avanço da maré em Ilhéus tomam conta das redes sociais, a Praia do Norte pede socorro

Avanço da maré volta a provocar prejuízos e destruição na praia do Norte, em Ilhéus

Nova mancha de óleo surge em praia do litoral norte de Ilhéus (BA)

Molusco desperta curiosidade de surfistas e banhistas no litoral baiano

Filhote de orca encalha na praia de Guarajuba e é sacrificado no dia seguinte

Engajada na luta contra o coronavírus, Guarda Civil Municipal pede a colaboração dos surfistas na capital baiana