Alfaiate do shape

Peterson Sitônio entrevista o carismático shaper baiano Bui Souza


Peterson Sitônio- Para começar vamos falar um pouco sobre a sua história. Quando deu seus primeiros passos no surfe?

Bui Souza - Tive meu primeiro contato com o surfe aos 9 anos de idade, com 12 anos tive minha primeira prancha, entre 13 e 14 anos estava lixando bordas e quilhas na Sun Surf, onde o shaper Braulio fazia as pranchas Musa e onde tive a oportunidade de ver um dos maiores artistas plástico do Brasil, fazendo um painel, Bel Borba e ainda tive o prazer de compartilhar o mesmo espaço com o shaper Miçaire, em visita a Salvador.

PS - Quando começou a shapear e quem te ensinou essa arte?

BS - Iniciei uma relação mais íntima com as pranchas de surfe desencapando e aprendendo, adorava ver uma prancha mais polpuda para desencapar e estudar. Comecei a fazer as pranchas Manga Rosa e tivemos uma das melhores equipes de surfe da Bahia. Depois iniciei uma brincadeira com as pranchas Ópio e Arcádia. Em busca de conhecimento, fui para o Rio de Janeiro, mas foi em São Paulo os meus maiores feitos. A convite da marca P.S.F (Perfect Shaped Surface) do Shaper J.C Arello, passei por várias fábricas, entre elas a Beccell Surf Boards, onde troquei informações e conhecimentos com vários outros shapers. Na volta para Bahia trabalhei com um shaper referência em Longboard, então tomei gosto e não mais parei.

PS - Como é descobrir a prancha ideal para as ondas da nossa capital baiana?

BS - Procuro fazer de maneira bem simples, com o objetivo de atender cada surfista ou atleta, tendo um imenso prazer em fazer Longboard e pranchas divertidas.

PS - Quem foi o primeiro atleta a usar suas pranchas?

BS - Rogério Vasconcelos, Vinicius Cardoso, Bernardo Mussi, entre outros.

PS - Quais materiais você tem usado na produção das pranchas?

BS - Sempre o de melhor qualidade, pois vai resultar diretamente no produto final.

PS - Com todo esse crescimento do surfe no Brasil por conta dos nomeados Brazilian Storm, quais são suas expectativas para o futuro do surfe baiano?

BS - O Brazilian Storm é a maior explosão do surfe brasileiro para o mundo. É o resultado de todo esforço de muito tempo. Estamos hoje no lugar onde merecemos. É um crescimento cada vez maior, mas devemos nos respeitar uns aos outros, pois somos uma imensa família chamada Surfe.

PS - Gostaria de deixar seus agradecimentos?

BS - Primeiramente ao nosso Pai, o homem que andou sobre as águas e a todos aqueles que compõe a família surfe.

PUBLICIDADE Banner UV Guilherme

Relacionadas

Confira tudo o que rolou no Festival NóiséRider que aconteceu na praia do Flamengo

Fotógrafo Luis Castro registra sessão de treino dos longboarders em Jaguaribe

Primeiro Festival de Longboard Clássico da Bahia acontece na praia do Flamengo entre os dias 12 e 13 de outubro

Primeiro Festival de Longboard Clássico da Bahia acontece na praia do Flamengo

Pedro França e Gustavo Costa vencem as principais categorias do Surf Treino de Itacimirim

Primeiro Surf Treino da Associação de Surf de Itacimirim acontece neste final de semana (27 e 28/4) em Itacimirim

Primeiro Surf Treino da Associação de Surf de Itacimirim acontece nos dias 27 e 28 de abril

Confira entrevista com os longboarders Ewandro Ballalai, Dudo Ballalai e Luan Araújo