Penta campeã

Confira entrevista exclusiva com a campeã baiana Dani Albuquerque


Danielle Albuquerque conquistou seu quinto título de campeã baiana na categoria Feminino em 2018. Das seis etapas realizadas este ano, Dani participou de quatro, sendo três vitórias e um vice campeonato. A atleta é local da praia do Corsário e tem um currículo recheado de títulos, além do penta baiano, Dani foi campeã do Circuito Brasileiro Amador.

Batemos um papo com a atleta, para saber como foi o ano nas competições e os planos para o futuro.

SurBahia - Você tem uma estória de superação e vitórias na carreira. Conte como foi o início do ano nas competições e sem patrocínio.

Dani Albuquerque - Primeiramente gostaria de agradecer a Deus por mais um título conquistado, pois nos últimos dois anos foi muito difícil. Venho de uma família humilde e não tive condições para disputar os principais eventos. Pensei em desistir por conta dessas dificuldades, mas meu namorado (Lukas Silva) foi um dos que me incentivaram a lutar e que muitas vezes deixou de competir para pagar minhas inscrições, assim como minha mãe, que abriu mão de móveis da casa para me mandar para o ISA na Califórnia.

SB - Este ano você participou de 4 etapas e fez final em todas. Qual foi o melhor evento?

DA - Não participei de todas as etapas que gostaria, mas a etapa do Mahalo Morro Surf Pro em Morro de São Paulo foi inesquecível, pois tinha acabado de fechar uma parceria com a Mahalo.

SB - Como você vê o nível das atletas na Bahia? O que acha que está faltando para a cetegoria?

DA - Temos muitas atletas surfando bem e dando trabalho nas baterias, destaco Camila Belfort, que é minha companheira de equipe na Mahalo e a Samira Vitória, que foi a grande revelação dos últimos anos. Creio que o surfe feminino precisa de mais eventos e mais incentivos para se desenvolver e evoluir.

SB - Quem é sua inspiração no esporte?

DA - Sou fã da cearense Silvana Lima, por toda sua história de superação e garra, além do surfe radical.

SB - Quais os planos para o próximo ano nas competições?

DA - Quero participar do Brasileiro e das etapas do QS no Brasil.

SB - Como foi fechar com a Mahalo e poder representar a marca pelo Brasil e pelo mundo?

DA - É muito importante o incentivo de marcas do nível da Mahalo, pois ficamos instigados para mostrar nosso talento e isso reflete no nosso surfe e os resultados acabam surgindo naturalmente. Só tenho a agradecer a Mahalo, a minha família, meu namorado e amigos por toda a força na minha carreira.

PUBLICIDADE http://www.uvstore.com.br

Relacionadas

Confira entrevista exclusiva com Davi Silva, campeão baiano profissional em 2018

Confira entrevista exclusiva com a campeã baiana Dani Albuquerque

Confira entrevista exclusiva com o atleta baiano Bino Lopes

Confira entrevista com Yagê Araújo, campeão Baiano Profissional de 2017

Atualmente na Califórnia, atleta baiano Namor Cayres é uma das novidades do time da Mahalo

Confira um bate papo animado com Arthur Cerqueira, talento da nova geração baiana e novo integrante da equipe Mahalo

Felipe Gradin, o Felipinho PDC, é um dos reforços do time da equipe Mahalo

Braian Ramos fala sobre a vitória na Taça Futuros Campeões e seu atual momento nas competições