Ampliando os horizontes

Confira entrevista e vídeo com os momentos da viagem de Ives Lopes para a Califórnia


Entre o mês de março e maio, o atleta Ives Lopes esteve na costa da Califórnia para disputar uma etapa do Circuito Mundial de Acesso (QS) e aproveitou para treinar nas ondas perfeitas da Califórnia. O SurfBahia bateu um papo com Ives para saber como foi a viagem.

SurfBahia - Como surgiu a ideia de ir para a Califórnia?

Ives Lopes - A ideia partiu no momento que eu e meu irmão estávamos olhando o calendário da WSL, dos eventos do QS e vimos dois eventos na Califórnia. Depois foi uma correria para levantar os custos, pois sem patrocínio fica difícil conseguir bancar os custos.

SB - Como foi a chegada e as primeiras impressões do lugar?

IL - A viagem foi um pouco longa, mas a ansiedade de realizar um sonho não deixou me abater. Logo quando cheguei, fiquei admirado com a beleza da cidade e a organização.

SB - E as ondas?

IL - As primeiras semanas foram de adaptações, água muito gelada e a onda que é muito boa, porém ao mesmo tempo exige que você tenha uma leitura diferenciada, pois ela é muita volumosa e você pode acabar errando nas manobras.

SB - Quais picos surfou e em quais condições?

IL - Surfei Lowers Trestles, T-Street, Lado Norte e Sul do Pier, Salt Creek, Lost Winds, Riviera, Oceanside, Pier de Huntington Beach. Peguei todo tipo de condições, de 0,5m ruim a 1,5m perfeito em Lowers.

SB - Além do surf, o que mais te chamou a atenção?

IL - Como as empresas no ramo do surf investem pesado nos atletas e a cultura deles, sempre com sorriso estampado no rosto, dando um bom dia, boa tarde, como você vai e a violência, que não existe. Você deixa suas coisas na areia, vai surfar e quando retorna estão lá intactas. Tem que ter cuidado com a comida, pois os esquilos não perdoam (risos).

SB - Como foi o seu desempenho nas competições?

IL - Disputei apenas um evento, acabei perdendo no round 1, em condições difíceis e alguns erros estratégicos, que custaram a bateria.

SB - Como foi a experiência de morar num centro importante do surf mundial?

IL - Muito gratificante, pois você está treinando em uma onda do CT e com vários atletas de elite ao seu lado. Poder assistir e disputar ondas com eles é uma sensação incrível. Surfei com caras como Filipe Toledo, Jordy Smith, Kolohe Andino, Keanu Asing, Lakey Peterson, os irmaos Gudaukas, entre outros.

SB - Qual a importância dessa viagem para sua carreira?

IL - A oportunidade de poder lapidar a língua Inglesa, que atualmente está sendo muito exigida nos eventos, e treinar em ondas de extrema qualidade

SB - Quais os planos para o segundo semestre?

IL - Retomar as competições pelo Brasil e o meu curso de Educação Física.

SB - Deixe uma mensagem para os que acompanham e torcem pelo seu trabalho.

IL - Queria agradecer ao SurfBahia pelo espaço e todos aqueles que fizeram uma força para poder me ajudar, pois não foi fácil. Foram rifas, competições, venda de equipamento, mas todo esforço foi recompensado graças a Deus, minha família e amigos, muito obrigado a todos, sem vocês, eu não teria conseguido realizar esse sonho! Que Deus abençoe a todos. Aloha!

Ives Lopes- Califórnia 2017 from Ives Lopes on Vimeo.

PUBLICIDADE

Relacionadas

Campeão baiano em 2017 e revelado em Ipitanga, Elson Vieira, o Sombra, fala sobre os principais momentos em sua carreira

Confira a entrevista exclusiva com Rayan Fadul, uma das promessas do surfe baiano

Confira entrevista exclusiva com Diogo Santos, campeão baiano Sub 18

Confira entrevista exclusiva com Davi Silva, campeão baiano profissional em 2018

Confira entrevista exclusiva com a campeã baiana Dani Albuquerque

Confira entrevista exclusiva com o atleta baiano Bino Lopes

Confira entrevista com Yagê Araújo, campeão Baiano Profissional de 2017

Atualmente na Califórnia, atleta baiano Namor Cayres é uma das novidades do time da Mahalo