Começa o show

Tem início o primeiro QS 6000 da temporada nas ondas da Cacimba do Padre


O Oi Hang Loose Pro Contest abriu o primeiro QS 6000 da temporada na terça-feira, com a Cacimba do Padre já bombando altas ondas no primeiro dia de Sol e muito calor em Fernando de Noronha. O paraibano Samuel Igo comandou o show, surfando o primeiro tubaço nota 10 neste retorno do evento mais tradicional do surfe brasileiro para a ilha após 7 anos. Ele já havia brilhado em outro tubo que valeu nota 9 para totalizar 19 pontos de 20 possíveis no quarto confronto do dia. O bicampeão mundial Gabriel Medina estreia nesta quarta-feira e as baterias podem começar mais cedo, com a primeira chamada marcada para as 7h00 no arquipélago pernambucano, onde o fuso horário é de 1h00 a mais do restante do Brasil.

“Que momento especial que nem consigo acreditar, só agradecer a Deus mesmo pelo privilégio de voltar a essa ilha”, vibrou Samuel Igo, que há muitos anos mora no Rio de Janeiro. “Eu tenho uma conexão muito boa com esse lugar, muita gratidão e estou feliz demais em conseguir fazer esses dois high-scores (notas altas), feliz por estar conectado na onda. A prancha boa ajudou bastante também, mas o campeonato está só começando”.

O paraibano falou mais sobre o tubo que arrancou a primeira nota 10 unânime dos cinco juízes no Oi Hang Loose Pro Contest: “Eu estava muito atrás da onda e, quando remei nela, nem acreditei que seria tão boa, porque vi que ela ia secar muito lá na frente e eu estava muito atrás. Só que eu já tinha remado, então fui com tudo e quando dropei, a prancha projetou muito pra frente, mas vi que dava tempo de sair. As placas foram caindo e fiquei focado olhando no finalzinho do tubo, falando pra mim mesmo que ia dar certo, que ia dar certo e consegui sair amarradão. Foi demais e esse lugar é realmente incrível”.

Nessa mesma bateria em que Samuel Igo conseguiu a primeira nota máxima, a força das ondas da Cacimba do Padre também partiu a primeira prancha ao meio. Era do norte-americano Eithan Osborne, que mesmo assim se classificou em segundo lugar para a próxima fase, superando o havaiano Cole Alves e o brasileiro Daniel Ostrowski. Eithan ganhou a primeira etapa da temporada em Israel, mas já perdeu a liderança no ranking do WSL Qualifying Series para o australiano Jack Robinson, campeão do outro evento com o mesmo status QS 3000 em Pipeline, semanas atrás no Havaí.

DESTAQUE GRINGO – Entre os surfistas estrangeiros, o primeiro a se destacar no Oi Hang Loose Pro Contest foi o português Miguel Blanco. Duas baterias após os recordes de Samuel Igo, ele também completou um tubo quase perfeito que valeu a segunda maior nota da terça-feira, 9,07. Com ela, venceu fácil aos três brasileiros que enfrentou em sua estreia no QS 6000 de Fernando de Noronha, Lysandro Leandro, Wesley Leite e Luan Hanada.

“O mar está bem difícil agora com a maré muito seca, mas ainda existem alguns tubos perdidos”, disse Miguel Blanco. “Eu tentei ficar ativo dentro d´água e foi uma boa bateria pra mim. Peguei uma direitinha no início, depois uma esquerda melhor no final que rodou aquele tubão e estou muito contente, pois foi uma boa maneira de começar o ano. Eu vim aqui pra Noronha uns cinco anos atrás numa surf trip e peguei um mar de gala aqui, então quando vi que o evento estava confirmado no calendário, não pensei duas vezes e estou feliz por ter começado bem o campeonato”.

ESTREIA DE MEDINA – Nesta primeira rodada de 24 baterias, competem os surfistas que não estão bem ranqueados na World Surf League e as principais estrelas formam a lista dos 48 cabeças de chave que só entram na segunda fase. Os dois confrontos que abriram a terça-feira, definiram os primeiros adversários da maior atração desta edição do Oi Hang Loose Pro Contest, o bicampeão mundial Gabriel Medina.

Ele vai estrear na primeira bateria da segunda fase nesta quarta-feira, junto com um dos surfistas de Fernando de Noronha convidados pela Hang Loose, Patrick Tamberg. O primeiro a se classificar foi o costa-ricense Tomas King, que venceu a bateria estrangeira com o havaiano Benji Brand e o francês Adrien Toyon. Ela marcou oficialmente o retorno do evento que foi disputado por treze anos consecutivos na Cacimba do Padre, de 2000 a 2012.

“Um amigo já tinha me falado que eu iria para a bateria do Medina se ganhasse, então eu já sabia e fico feliz por isso”, disse Tomas King. “Vai ser legal enfrentar o campeão mundial e eu vou tentar fazer o meu melhor. Eu quero me classificar para o CT e os pontos aqui são importantes para isso. Não entraram muitas ondas na bateria, mas consegui surfar algumas e espero que na próxima tenha mais tubos. Estou ansioso já para amanhã (quarta-feira)”.

A outra vaga para completar a bateria de Gabriel Medina com Patrick Tamberg e Tomas King, foi definida no primeiro confronto 100% brasileiro do Oi Hang Loose Pro Contest. O carioca Pedro Neves pegou boas ondas para escapar de encarar o bicampeão mundial com a vitória. Os outros três surfistas ficaram brigando pelo segundo lugar e o jovem potiguar Mateus Sena, 16 anos apenas, levou a melhor sobre o paulista Vitor Mendes e o baiano Franklin Serpa.

“Está bem complicado o mar, a bateria teve poucas oportunidades de tubos, eu só tive uma, mas fui com a estratégia de somar pontos no início para me classificar e estou feliz que deu tudo certo”, disse Mateus Sena, que falou sobre competir com Medina. “Para ser bem sincero, eu vou realizar um sonho. Acho que para a maioria dos competidores aqui, é um sonho competir com o Gabriel (Medina). Eu já estou louco pra entrar na água e soltar o meu surfe para tentar até ganhar dele, nunca se sabe. Mas, é uma bateria que eu quero passar”.

JEAN DA SILVA – Na terça-feira, enquanto as baterias rolavam no mar, foi realizada uma homenagem para o surfista catarinense Jean da Silva, que faleceu dois anos atrás. Ele já foi campeão nos tubos da Cacimba do Padre em 2006 e vice-campeão na última final disputada em Fernando de Noronha em 2012, vencida pelo paulista Miguel Pupo. O diretor da Hang Loose, Alfio Lagnado, se juntou ao grupo de pessoas na praia que levantava uma prancha que ele deixou na ilha, contendo a inscrição: “Jean da Silva Forever”.

PUBLICIDADE

Relacionadas

Campeão mundial de 2015, Adriano de Souza anuncia que 2021 será sua última temporada no Circuito Mundial

Campeão mundial Adriano de Souza lembra de vitória em etapa do QS na Costa do Sauípe e declara amor à Bahia

WSL confirma cancelamento dos eventos de 2020 e anuncia novo formato do Tour

WSL leva os 5 melhores do ranking mundial para decidir a taça em um único dia, em local a ser escolhido

World Surf League anuncia corte para 24 homens e 12 mulheres na temporada de 2022

Davi Mendes vence as categorias Open e Sub 18 na segunda etapa do Baiano Amador em Belmonte

Confira as fotos e os resultados da edição do Passando o Rodo nas Praias em Stella Maris

Pandemia do corona vírus força adiamento das etapas do Mundial que seriam realizadas em Stella Maris