Hora do Rancho

Lalo Giudice questiona critério de escolha das equipes para o Founders Cup


WSL Founders Cup acontece neste fim de semana, no Surf Ranch. Foto: Divulgação WSL.


Está chegando a hora do evento mais aguardado do ano, o WSL Founder´s Cup, que acontecerá nos dias 5 e 6 de maio, na Kelly Slater Wave co, em Lemore, Califórnia (EUA).

Alguns dos melhores surfistas do mundo se enfrentarão em uma competição completamente diferente, idealizando, é claro, as Olimpíadas de Toquio, em 2020.

Serão cinco equipes, compostas por três homens e duas mulheres representando o Brasil, Estados Unidos, Austrália, Europa e Mundo, com surfistas de outros continentes.

A expectativa para este evento é imensa, tanto para os surfistas competidores quanto para os fãs do esporte, que nunca presenciaram uma competição desta grandeza.

Já tivemos eventos em piscinas de ondas, até vencidas duas vezes por Fabio Gouveia, mas a qualidade de onda era muito inferior a do “Rancho”, a profissionalização do esporte era outra, além do que, não estávamos indo pra as Olimpíadas.

Tickets com diversos valores, a depender do serviço e localização privilegiada, área vips com menu all inclusive estão praticamente esgotados, telões gigantescos mostrando os highlights a todo instante para quem estará no complexo do KSWCo e para todo o mundo.

Poderíamos até mudar nosso bordão “It´s On” para “IIIIIIIIIIIt´s Tiiiiiiiime”, frase dita pelo famoso locutor de lutas do UFC Bruce Buffer, na hora da luta mais importante da noite, já que, literalmente, o surf está indo por esse caminho - o do show, do espetáculo.

Comparações e analogias feitas com o UFC, na parte estrutural do evento, como citamos acima, poderemos ver também algumas características parecidas também nos bastidores.

Um exemplo disso está nas escolhas das equipes. A meu ver, não houve um critério bem definido, ou nosso manda chuva Kelly Slater não divulgou. O time da Austrália, por exemplo, conta com Mick Fanning, Joel Parkinson e Matt Wilkinson entre os homens, sendo que o melhor australiano do ano passado e este ano é Julian Wilson.

Owen Wright também esteve na frente dos dois campeões mundiais nos rankings do ano passado. Talvez Mick e Joel, por serem campeões mundiais, assim como Stephanie Gilmore e Tyler Wright, “vendam” mais do que Julian e Owen. Talvez não, certeza! O histórico pesou, ignorou-se o ranking!

Kelly também se “escalou” na equipe norte-americana, já que, pelo ranking da WSL deste ano e do ano passado, ele não entraria na Founder´s Cup. Tínhamos Conner Coffin, Sebastien Zietz e até a sensação do momento, Griffin Colapinto, que, de última, poderia ter entrado no lugar de Kolohe Andino, como foi divulgado de forma equivocada, em alguns sites. Resumindo, “eu sou o dono do videogame, eu escolho quem brinca aqui em casa”.

Também tem o discurso que, por estar machucado desde J-Bay, no ano passado, Kelly Slater não teria como ter pontuado e estar bem no ranking. Mais uma analogia feita ao UFC, onde CEOs da organização escolhem e casam suas lutas de acordo com bilheterias, passando por cima de rankings muitas vezes.

Gabriel Medina é um dos principais nomes do evento. Foto: WSL / Rowland.


A mudança do escritório principal da WSL há algum tempo - antes era na Gold Coast -, para a Califórnia, vem mexendo aos poucos, a meu ver, pra melhor, na cultura organizacional da entidade. Os americanos conseguem dar grande ênfase nos esportes que eles detêm poder, como as ligas de Telecat, Futebol americano, Hóquei no gelo e até mesmo o UFC.

E, com o mito Kelly Slater à frente disso, tenho certeza de que o surf só tende a decolar. Pra quem não sabe, há um pouco mais de 10 anos, os campeões das etapas do CT ganhavam apenas US$ 30 mil por etapa, mas o “careca”, pressionando a antiga ASP na formação de uma outra liga concorrente, conseguiu aumentar as premiações para US$ 100 mil em caso de vitória.

No Founder´s Cup, a melhor onda do evento será premiada com um Jeep zero quilômetro. A manobra mais progressiva e melhor aéreo também serão premiados.

Resta saber quando KS irá “tirar o chapéu” de competidor para o de, definitivamente, cartola, o que demonstra, a meu ver, ainda um certo amadorismo por parte dele e da WSL neste momento.

Voltando ao surf e ao histórico evento da Founder´s Cup, o que se espera é o maior nível de surf já visto até hoje. Ondas iguais para todos, sem disputa de remada, sem séries espaçadas e ate mesmo tubarões. Ondas perfeitas ao longo do dia, com várias seções para manobras e tubos. A melhor piscina de onda já feita até hoje. Pranchas um pouco mais volumosas, com menos rockers (envergadura da prancha) devem aparecer nos quivers dos atletas, já que a água é doce.

O time brasileiro vem com tudo e é a equipe favorita, com os campeões mundiais Gabriel Medina e Adriano de Souza, além do prodígio Filipe Toledo. Medina, que ganhou o primeiro evento teste, no Rancho, além de Filipe, segundo colocado, são os grandes favoritos para este torneio. Entre as mulheres, nossa experiente atleta Silvana Lima se juntará à caçula do Founder´s Cup, Tainá Hinckel, de apenas 14 anos.

Entre os gringos, estava ansioso para ver o rookie norte-americano Griffin Colapinto, que entraria no lugar de Kolohe Andino, como foi divulgado erroneamente. No início desta semana, foi publicado um vídeo de Cola no KSWCo, destruindo as ondas do Rancho, talvez com a melhor leitura dos tubos e manobras vista nessa piscina até hoje.

Como ele, realmente, não vai participar do Founder´s Cup, não visualizo nenhum outro, acima dos brazucas, naquelas condições, nenhum mesmo!

Adquiram seus petiscos, cervejas, reúna os amigos e familiares, pois o show vai começar! It´s Time, ops, me confundi novamente, It´s On!!

Equipe australiana

Capitã: Stephanie Gilmore (AUS)
Mick Fanning (AUS)
Matt Wilkinson (AUS)
Joel Parkinson (AUS)
Tyler Wright (AUS)

Equipe brasileira

Capitão: Gabriel Medina (BRA)
Adriano de Souza (BRA)
Filipe Toledo (BRA)
Silvana Lima (BRA)
Tainá Hinckel (BRA)

Equipe europeia

Capitã: Johanne Defay (FRA)
Jeremy Flores (FRA)
Frederico Morais (POR)
Leonardo Fioravanti (ITA)
Frankie Harrer (ALE)

Equipe norte-americana

Capitão: Kelly Slater (EUA)
John John Florence (EUA)
Kolohe Andino (EUA)
Carissa Moore (EUA)
Courtney Conlogue (EUA)

Equipe mundial

Capitão: Jordy Smith (AFR)
Michel Bourez (PLF)
Kanoa Igarashi (JAP)
Paige Hareb (NZL)
Bianca Buitendag (AFR)

PUBLICIDADE http://bit.ly/1ZEkdaJ

Relacionadas

Nosso colunista Lalo Giudice aponta seus palpites depois da etapa francesa e comenta sobre os candidatos ao título mundial

Nosso colunista Lalo Giudice analisa o duelo acirrado entre Gabriel Medina e Filipe Toledo pelo título mundial

Nosso colunista Lalo Giudice analisa a vitória de Gabriel Medina no Surf Ranch Pro

Nosso colunista Lalo Giudice comenta a expectativa para o início do Surf Ranch Pro

Nosso colunista Lalo Giudice conta a história competitiva do ilheense Rudá Carvalho

Lalo Giudice fala sobre mais uma brilhante vitória de Gabriel Medina em Teahupoo

Nosso colunista Lalo Giudice analisa os candidatos ao título do Tahiti Pro em Teahupoo

Nosso colunista Lalo Giudice comenta a vitória de Filipe Toledo em J-Bay