Segredo de estado

Lapo Coutinho e Aldemir Calunga desbravam ondas pesadas em laje secreta no Nordeste


Atitude, coragem e muita disposição, essas três palavras definem o feito que um grupo de amigos realizou no último sábado (19/3), botando pra baixo em uma das ondas mais pesadas e cobiçadas do Nordeste brasileiro, que não divulgaremos a localização a pedido dos locais.

Clique aqui para ver as fotos

Com uma logística de segurança e equipamentos adequados para a situação, Aldemir Calunga, Lapo Coutinho, Daniel Bezerra, Petrônio Tavares e Marcelo Mota fizeram uma sessão de big surf em águas nordestinas.

Tudo começou quando Calunga, Lapinho, Marcelo e o fotógrafo Cícero Junior começaram a monitorar um swell que possivelmente chegaria no litoral nordestino com uma boa intensidade e período alto, porém, a maré não estava secando do jeito certo para a onda fazer funcionar o tubo. Ficamos avaliando as condições do mar e dos ventos para saber se seria possível surfá-la. A atitude da equipe e a vibe positiva que estava entre nós foi tão forte, que resolvemos nos aventurar juntos nessa sem saber ao certo o que encontraríamos.

Lapo Coutinho e Aldemir Calunga, junto ao fotógrafo Cícero Junior foram na frente até a ponto de embarque para preparar toda a logística e esperar o restante da equipe, que só chegaria algumas horas depois. Com tudo no seu devido lugar, jet ski, pranchas, kit de primeiros socorros, alimentação e muita vontade de surfar. Partimos do porto as 4h da manhã ainda sem a luz do sol. Durante o percurso de barco, que durou cerca de 3 horas, estávamos cheios de expectativas, imaginando o que iríamos encontrar pela frente e se realmente teríamos a sorte e o prazer de surfar essa tão falada onda da laje.

Um dos principais requisitos para surfar essa onda é a segurança, tudo tem que estar perfeitamente organizado e preparado, pois qualquer vacilo ou acidente pode se transformar em pesadelo, pois o local da onda fica muito distante da costa. O difícil acesso faz com que essa onda se torne mística e temida por muitos surfistas.

Depois de horas navegando mar a dentro, começamos a  sentir o barco balançar mais forte e avistamos as ondas no horizonte. Foi como avistar um oásis para qualquer surfista em pleno mar do Nordeste brasileiro. Nessa hora toda adrenalina do corpo começa a subir e a vontade de surfar aumentava ainda mais. Quando paramos o barco no canal fomos recebidos por uma série de 8 a 10 pés vindo lá de trás da laje com uma tonalidade de azul incrível, lembrando  ondas havaianas, como ressaltou Lapo Coutinho.

Observamos como a onda se movimentava na bancada e não demorou muito para que Lapinho pulasse na água junto comigo, Daniel Bezerra, que estava estreando no surf em ondas grandes. Iniciei a sessão surfando a primeira onda do dia com uma prancha 7,6, a onda tinha uns 8 pés, mas com uma força absurda e brutal quando entrava na bancada.
Petrônio Tavares, surfista experiente em ondas pelo mundo, também não ficou atrás e pegou suas ondas deixando sua marca com drops e cavadas no tempo certo da onda. Roberto, um veterano em ondas pesadas, também deixou sua marca. Lapinho, recém chegado de uma temporada havaiana, e Aldemir Calunga, big rider de responsa, desceram as maiores do dia. Eles botaram pra baixo em ondas que chegaram a 10 pés, utilizando pranchas acima de 9 pés, mostraram todo conhecimento e a habilidade de surfar ondas grandes. Lapinho trouxe todo seu quiver de pranchas, inclusive sua "bebê" 10 pés, que usou na temporada de Jaws. Foi com essa prancha que ele fez a diferença nas ondas da laje.

Como sua prancha era muito grande, ele tinha o luxo de sentar mais atrás do pico e remar nas maiores com muito conforto, mostrando para todos que estava disposto e bem preparado fisicamente para surfar ondas gigantes. Calunga também provou que está totalmente em forma para surfar as bombas pelo mundo a fora. Totalmente focado e preparado, ele estava vivendo um momento único em sua vida, onde surfar essa onda aumentou o desejo dele em buscar ondas gigantes pelo mundo.

Depois de quase 3 horas de muito surf, tubarões, tartarugas e muita diversão, tivemos que voltar para costa. sabemos o quanto foi importante termos surfado essas ondas e visto o potencial que ela pode ter. Ouvimos relatos do comandante do barco que a onda chega a atingir 15 pés, com respeito aos locais do pico, achamos melhor não divulgarmos a localização, muitos podem saber onde fica, mas como chegar poucos sabem. Quem sabe um dia voltaremos lá para surfar essa tão sonhada onda de 15 pés.

Obrigado a todos que fizeram parte dessa surf trip, uma verdadeira aventura em busca de ondas perfeitas.

PUBLICIDADE

Relacionadas

Apontado como forte candidato ao prêmio do WSL Big Wave Awards, Caio Vaz fica fora da final e mostra decepção

Big rider baiano Marcio Freire encara swell de ciclone na Laje da Jagua (SC)

Márcio Viana descreve sessão histórica durante poderoso swell em Jaws

Baianos Marcio Viana e Rick Breyner encaram as ondas de Jaws, na ilha de Maui

Danilo Couto é um dos convidados para o tradicional The Eddie Aikau Big Wave Invitational

Yuri Soledade fala sobre o convite para participar do Eddie Aikau Big Wave Invitational em Waimea

Danilo Couto na principal e Yuri Soledade como alternate no Eddie Aikau Big Wave Invitational

Bino Lopes aproveita swell no North Shore havaiano para encarar Waimea Bay